Novo modelo ganhou melhorias no seu sistema mecânico e estética.

O Salão Duas Rodas no último mês de novembro apresentou a Dafra Next 300. Com o valor sugerido para mercado de R$ 14.590,00, mais o frete de R$ 400,00.

O modelo Street que fez sucesso na versão 250, ultrapassando 12 mil unidades vendidas, vem em sua nova versão com motor de maior cilindrada e mais potência, a empresa também se preocupou em refazer o sistema de freios e em disponibilizar mais duas opções de cores vermelha fosca e preto brilhante.

A principal aposta da Dafra Next 300 é o seu motor, já que ele é equipado com uma injeção eletrônica, além de uma refrigeração líquida de 27 cavalos e 2,65 kgfm. Essas características dão à Dafra Next 300 o posicionamento entre as melhores motos na categoria de até 300 cilindradas, passando na frente da Honda Twister 250 e da Yamaha Feizer 250.

A marca Dafra manteve o câmbio como o da linha anterior, com 6 marchas. Outra característica marcante da nova Dafra Next 300 é que o sistema de freios está totalmente atualizado. Eles possuem o maior disco de diâmetro na dianteira, e o sistema combinado de frenagem FH-CBS.

Todas essas funções equilibram sua atuação dando mais equilíbrio para o motorista e, consequentemente, mais segurança, mesmo que o condutor pressione um manete mais que o outro.

Por mais que a moto tenha se tornado mais eficiente ao responder o comando do freio, se tornado mais equilibrada e segura, ela continua atrás de suas concorrentes que já utilizam o sistema ABS.

A Dafra está apostando no sucesso desse modelo, devido ao bom aceitamento que a Next 250 conquistou. Não é segredo que os compradores criaram até mesmo moto clubes dedicados ao modelo. O diretor de engenharia da Dafra afirma é que a Next 300 irá fazer tanto sucesso quanto o seu modelo anterior e irá perpetuar os seus clientes e conquistar novos.

Veja a ficha técnica da nova Dafra Next 300

  • Altura: 1.050 mm
  • Freio Dianteiro: Disco 287 mm
  • Largura: 790 mm
  • Freio traseiro: Disco 220 mm
  • Comprimento: 2.005 mm
  • Sistema de freio: FH-CBS
  • Distância entre eixo: 1.335 mm
  • Motor: Monocilíndrico, 4 tempos, SOHC, refrigeração líquida, injeção eletrônica
  • Altura mínima do solo: 170 mm
  • Cilindrada: 278 cm³
  • Altura do banco: 790 mm
  • Potência máxima: 27 cv @ 9.250 rpm
  • Chassi: Diamond
  • Torque máximo: 2.65 kgf.m @ 6.500 rpm
  • Suspensão dianteira: Telescópica – 125 mm
  • Sistema de partida: Elétrica
  • Suspensão traseira: Braço oscilante, monoamortecida
  • Transmissão: 6 marchas
  • Rodas: liga leve aro 17”
  • Peso seco: 167 kg
  • Pneu dianteiro: 110/70 – 17 sem câmera
  • Tanque: 14L
  • Pneu traseiro: 130/70 – 17 sem câmara
  • Combustível: Gasolina

Além das mudanças mecânicas, também houve mudanças estéticas, como já citado anteriormente, a Dafra disponibilizou o novo modelo nas cores vermelho fosco e preto. A variedade de cor é uma estratégia da marca para alcançar a venda de 1.000 motocicletas no primeiro ano de lançamento.

José Ricardo Siqueira, gerente nacional da marca, afirmou que a Dafra Next 300 é garantia de sucesso no mercado, já que a motocicleta apresenta uma excelente performance, assim como uma ótima tecnologia do sistema de freios. A preocupação da marca foi fornecer aos seus clientes uma moto capaz de oferecer mais segurança e que possua um preço justo e competitivo com as outras marcas, ou seja, de acordo com ele a Dafra estará lançando o novo sucesso da marca.

Os fãs da marca e da Dafra Next 250, estão ansiosos pelo lançamento da novo modelo e as expectativas tanto para a melhora do sistema mecânico, quanto para a melhora estética, são gigantescas.

Por Isabela Pierini dos Santos

Dafra Next 300


Em temos de crise econômica, fazer um consórcio de carro é uma boa opção.

A compra de um carro, além de ser o sonho de diversas pessoas, também pode se tornar um pesadelo se não for bem planejada. Um automóvel é um objeto de alto valor econômico, portanto é necessário investimento e poupar dinheiro para a aquisição do mesmo.

Uma das melhores opções, seria poupar o dinheiro para conseguir comprá-lo à vista. No entanto, não costuma ser uma prática tão comum, pois é necessário muito tempo até adquirir o carro.

Outra opção contemplada por quem pretende adquirir esse produto, é o consórcio. Junto com essa opção, também surge o financiamento. É importante saber as diferenças entre essas duas formas de pagamento: o ponto crucial que difere os dois, trata-se de qual sai mais caro e porquê. Os financiamentos costumam ficar mais caros quando a inflação no país está alta, por outro lado, o consórcio não é afetado diretamente por isso, uma vez que não utiliza o dinheiro do banco, sendo um grupo de pessoas que financiam a aquisição do carro.

O consórcio irá funcionar da seguinte maneira: o comprador irá pagar parcelas mensais para um grupo de pessoas. O dinheiro que irá se acumular formará algo que pode ser denominado como caixa coletivo. Dentro de determinado tempo, o dinheiro acumulado será o suficiente para que vários membros do grupo consigam adquirir um carro. Será adquirida uma carta de crédito com o valor e o automóvel será comprado.

Há duas formas para que uma pessoa seja escolhida para adquirir o carro primeiro: a primeira é por sorteio e a segunda por leilão. Na primeira opção a sorte será o fator determinante e da mesma forma que você pode ser o primeiro, existe a possibilidade que sua vez demore para chegar e até lá terá que continuar pagando as parcelas. Na segunda forma, comprará o carro aquele que der um "lance", uma quantia de dinheiro maior para o grupo naquele mês.

Embora o consórcio não tenha juros, ele possui taxas. Deverá ser paga uma taxa de cerca de 1,5% para entrar no grupo. Há também a faixa cobrada pelo fundo de reserva. Esse fundo é muito importante, pois irá manter o consórcio mesmo que alguns membros deixem de pagar a mensalidade corretamente.

Se você tem dificuldades em poupar dinheiro, não precisa de um carro imediatamente e não pretende pagar altos juros, o consórcio pode ser a melhor opção para que você adquira seu automóvel.

Por Isabela Palazzo

Consórcio de carro


Foi registrada queda de 21,58% nas vendas de carros no mês de julho de 2015 se comparado ao mesmo período de 2014.

As vendas de carros no Brasil tiveram queda de 21,58% no mês de julho, se comparado a dados de 2014, de acordo com informações da Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores).  A entidade classifica o índice como o pior para as montadoras desde julho de 2007. Vale ressaltar que no ano de 2015, o mercado de automóveis registrou venda de 1,5 milhão de carros. Esses índices, segundo a instituição, significam uma redução de 21%, quando se compara com os indicativos de 2014.  É possível consultar os índices econômicos do setor no portal da Fenabrave.

Luiz Moan Yabiku Junior, presidente da Anfavea (Associação Nacional de Fabricantes de Automotores) avalia que os números apresentados têm ligação direta com a crise financeira. “O país passa por um cenário de baixa confiança dos investidores e consumidores, restrição ao crédito e expectativa pela conclusão dos ajustes na economia. Porém, acreditamos que os anúncios de algumas medidas, como o Plano Nacional de Exportações e o Plano Safra, são parte de uma agenda positiva”.

De certa forma, alguns setores esperam que o mês de agosto apresente melhores índices, como afirma Octávio Vallejo, presidente do Sincodiv-SP (Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos no Estado de São Paulo), em entrevista ao jornal “O Diário do Grande ABC”.  Vallejo também menciona na reportagem que os bancos e instituições financeiras estão ainda mais exigentes quanto às aprovações de financiamento, o que dificulta as vendas.  Ele destaca que na região do ABC, cerca de dez concessionárias foram fechadas.

Os carros mais vendidos:

Embora julho tenha registrado queda nas vendas, se comparado aos outros meses de 2015, houve aumento de 6,9%, relacionado aos emplacamentos até agora. Entre os carros mais vendidos está o Palio, que mantém a liderança desde o ano passado, segundo informações do site do “Quatro Rodas”. Foram cerca de 11.312 unidades vendidas até o mês de julho. O Chevrolet Onix obteve mais de 10.726 emplacamentos, de acordo com a publicação.

Por Letícia Veloso

Comprar carros

Foto: Divulgação


Número de emplacamentos em maio caiu 27,5%, registrando 212.713 unidades de automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões emplacados.

Como era de se esperar, o fraco desempenho da economia brasileira está afetando diretamente a indústria automotiva no país. De acordo com dados da Fenabrave, associação das concessionárias, o número de emplacamentos de veículos caiu 27,5% no mês de maio, em comparação com o mesmo mês do ano passado. Segundo a associação, foram 212.713 unidades de automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões emplacados. No mesmo período de 2014 este número foi de 293.344 veículos.  

Ao comparar com o mês anterior, abril deste ano, a queda foi significativamente menor, de 3%. No período, 219.371 veículos foram emplacados. Nos cinco primeiros meses de 2015 foram vendidos 1.106.476 veículos, contra 1.399.280 do mesmo período de 2014. Sendo assim, a queda é de 20,9%.   

No segmento de automóveis e comerciais leves, que representam a maior parcela do mercado, houve uma queda considerável de 26,2%, comparado a maio do ano passado (204.978 unidades contra 277.886).

O modelo líder no acumulado do ano é o Palio, da Fiat. Ele foi o único automóvel a conseguir superar a marca de 10 mil unidades emplacadas no mês. De acordo com a Fenabrave, foram vendidas 10.469 unidades. Na segunda posição aparece o HB20, com 8.848 unidades, seguido do Ford Ka, com 8.348 unidades vendidas.   

Já no segmento de caminhões e ônibus, o desempenho não foi nada animador. A queda foi ainda mais acentuada, registrando apenas 7.735 unidades vendidas em maio deste ano. Tal número representa uma queda de 50% comparado a maio de 2014, período que registrou 15.458 emplacamentos. Em relação ao acumulado, o segmento obteve uma queda de 38,8%.   

A queda entre as motos foi de 16,8%. Em maio deste ano foram emplacadas 105.472 unidades, enquanto que no ano passado o número foi de 126.704. Comparado a abril, mês que obteve 108.155 unidades emplacadas, o segmento registrou uma retração de 2,5%.  

O desempenho do mercado automotivo em 2015 deverá seguir em ritmo de retração, devido à crise financeira e à diminuição do crédito para aquisição de novos veículos.

Por William Nascimento

Venda carros

Foto: Divulgação


Modelo esportivo começará a ser vendido este ano na China e em 2016 no Reino Unido.

A Morris Garages (MG) lançou o carro esportivo GS, com um design diferenciado. O automóvel é inspirado no Ssang Yong Korando. O novo modelo também será vendido no mercado britânico, em que provavelmente será fabricado. O carro foi apresentado no Salão de Xangai e ainda este ano começará a ser vendido na China. No Reino Unido, o novo utilitário esportivo começará a ser vendido apenas no próximo ano.

O MG GS conta com LEDs diurnos e rodas de liga leve aro 16 ou 18 e tem o interior com sistema de áudio premium, além de multimídia com telas que medem 6 ou 8 polegadas. Outra novidade do carro esportivo, é que conta com acabamento em couro e tem opções de revestimento e tonalidade.

Além disso, para o conforto do motorista, o GS tem ar condicionado, banco traseiro rebatível e também sistema de áudio com quatro alto-falantes. Em relação à motorização, ele pode ser encontrado em duas formas: uma de 1,5 turbo, de 166 cavalos de potência e 25,5 mKgf de torque e a outra com 2.0 turbo, de 217 cv e 35,7 mkgf. Há duas opções também para a dianteira: uma padrão e a integral, que é opcional, e conta com os seguintes recursos: manual de seis marchas, dupla embreagem e seis marchas, e dupla embreagem e sete marchas. No Reino Unido, o GS terá alguns itens diferentes como a motorização, o acabamento e a segurança.

Outro carro mostrado no Salão de Xangai pela MClaren foi o 540C, que conta com motor biturbo V8 3,8 litros de 533 cv e 55,06 mKgf de torque. O carro destaca-se pelo design e o interior tem painéis de porta e banco revestidos de couro. O modelo pesa 1.311Kg e tem chassi em fibra de carbono e aplicação de alumínio na carroceria. O carro está previsto para entrar no mercado em 2016 e o preço deve ser US$ 188 mil

Por Babi

MG GS

MG GS

Fotos: Divulgação


O primeiro contato com a BMW M 135i realmente é de impressionar e a chegada deste carro ao mercado brasileiro vai surpreender muito os consumidores e amantes da marca.

Nessa nova versão tanto o conforto quanto a versatilidade, que muitos já conheceram no 118i, foram mantidos rigorosamente, esse veículo foi especialmente projetado para pessoas que gostam de aliar alto desempenho, refinamento e excelente dirigibilidade em um veículo.

Com um motor de 3.0 de 6 cilindros o BMW M 135 esbanja muita força, contudo não deixa de ser econômico nem tão pouco de gerar aquele famoso e empolgante ronco que é capaz de arrepiar os amantes de carros. Ainda falando sobre o motor dessa joia, ele foi projetado com 24V biturbo, possuindo injeção direta de combustível e duplo comando de válvula, todo esse conjunto é capaz de gerar nada mais nada menos do que 320 cv de potência a 5.300 RPM e 45,9 mkgf de torque depois dos 1.250 RPM.

Com um câmbio ZF automático que contém 8 marchas, esse veículo é capaz de acelerar de 0 a 110 km/h na incrível marca de apenas 5s, com relação ao consumo o BMW M 135i tem um consumo médio no meio urbano de 6,3 km/l e quando submetido ao regime enfrentado em rodovias o consumo médio do veículo aumenta para a marca de 11,2 km/l.

O que talvez não agradou muito aos consumidores brasileiros foi o preço que o veículo está sendo comercializado que é de R$ 209.950, ou seja, devido ao seu alto valor esse carro aqui no Brasil será um brinquedinho para poucos.

Entre os principais itens de série que já vêm no veículo de série estão disponíveis para o conforto do consumidor ar condicionado contendo duas zonas, navegador GPS, sistema multimídia, faróis de xenônio, sensores de estacionamento dianteiro e câmera traseira de ré, seis airbags, revestimento interno inteiramente em couro, volante de direção com multifunção, bem como um câmbio bastante eficiente automático que funciona acionamento do sistema de borboletas junto ao volante para facilitar a troca de marchas. 

Por Adriano Oliveira

BMW M 135i

BMW M 135i

BMW M 135i

BMW M 135i

Fotos: Divulgação


A ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) divulgou na última quinta-feira, dia 5 de fevereiro de 2015, que no mês de janeiro de 2015, as vendas de automóveis, caminhões e ônibus caíram 18,8% em relação ao mesmo período de 2014 e 31,4% em comparação a dezembro do ano de 2014. Foram emplacadas no mês de janeiro de 2015 apenas 253.803 unidades em todo o país, um número muito inferior às expectativas.

Considerando-se automóveis e carros comerciais leves, as vendas de janeiro totalizaram-se em 244.253 unidades, ou seja, 18,6% de retrocesso em relação a janeiro de 2014 e 31% de queda em relação a dezembro deste mesmo ano. De forma mais específica, foram vendidos em janeiro 206.112 automóveis e 38.141 carros comerciais leves.

Já as vendas de caminhões atingiram apenas 7.675 unidades no mês de janeiro, isto é, 28,8% a menos que o mês de janeiro de 2014 e 44% a menos em relação a dezembro de 2014. Por fim, foram vendidas 1.875 unidade de ônibus no primeiro mês do corrente ano, que representa uma queda de 8,1% em relação a janeiro de 2014 e de 19%, se comparado a dezembro de 2014.

Como podemos observar, o setor automotivo tem vivido tempos difíceis, em especial nos últimos meses. Apesar dos incentivos do Governo Federal nos últimos anos para manter aquecido o comércio automobilístico, ao criar políticas de desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), as vendas continuam caindo. A intenção do Governo Federal com estas políticas através de acordos de não demissão com as montadoras é incentivar o consumo e, consequentemente, garantir os níveis de emprego.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a produção industrial brasileira decresceu 3,2% em 2014 e o setor automobilístico é um dos principais representantes desta estatística geral, uma vez que somente este setor sofreu queda de 16,8% no referido ano. Em razão disso, segundo a ANFAVEA, 2014 teve uma queda de 8,9% de empregos na indústria automobilística do país. Em números reais, a ANFAVEA anunciou que o setor fechou o ano de 2013 com 158.733 postos de empregos e encerrou 2014 com 144.623, o que representa a demissão de 14.110 pessoas.

Por Allan Carlos Marques

Vendas de carros

Foto: Divulgação


Embora o apelo aventureiro, os carros SUVs foram atrativos para o mercado e não passaram a ter importância somente para os motoristas que apreciam velocidade e obstáculos. Com suspensões avantajadas e espaço de sobra, os modelos SUVs se tornaram objetivo de consumo dos brasileiros que gostam de uma boa direção.  

Confira a lista dos SUVs mais vendidos no Brasil:

O Ford EcoSport está em 1º lugar na lista. Seus preços variam de R$ 57.585,00 a R$ 80.885,00, de acordo com a versão.

O Renault Duster ocupa o 2º lugar na lista. Seus valores estão entre R$ 53.990,00 e R$ 72.575,00, conforme a versão.

O Hyundai Tucson está na 3ª posição. Seus preços vão de R$ R$ 64.577,00 a R$ 69.466,00.

Na 4ª posição está o Hyundai ix35. Seus valores são de R$ 88.169,00 ou R$ 97.750,00.

Em 5º lugar está o Mitsubishi ASX. Seus preços variam de R$ 83.833,00 a R$ 105.666,00.

O Chevrolet Tracker ocupa a 6ª posição. Seus valores são de R$ 68.875,00 ou R$ 84.295,00.

O Mitsubishi Pajero está em 7º lugar. Seus preços variam de R$ 69.000,00 a R$ 206.214,00.

Na 8ª posição está o Kia Sportage. Seus valores variam de R$ 88.656,00 a R$ 116.475,00.

O Toyota Hilux ocupa a 9ª posição. Seus preços variam de R$ 87.578,00 a R$ 178.670,00.

Em 10º lugar está o Citroën Aircross. Seus valores variam de R$ 53.354,00 a R$ 69.757,00.

O Mitsubish Outlander está em 11º lugar. Seus preços variam de R$ 104.500,00 a R$ 138.950,00.

O Toyota RAV4 ocupa a 12ª posição. Seus valores variam de R$ 104.933,00 a R$ 134.916,00.

Na 13ª posição está o Lifan X60. Seu preço é de R$ 59.193,00.

Em 14º lugar está o Range Rover Evoque. Seus valores variam de R$ 178.172,00 a R$ 293.000,00.

O Audi Q3 ocupa a 15ª posição. Seus preços são de R$ 146.133,00 ou R$ 146.133,00.

Completam a lista os modelos Hyundai Santa Fe, Volkswagen Tiguan, Suzuki Grand Vitara, Dodge Journey e Chery Tiggo

Por Felipe Couto de Oliveira

Ford EcoSport

Renault Duster

Hyundai Tucson

Fotos: Divulgação


A Porsche aproveitou o início do mês de fevereiro para apresentar seu mais novo integrante da linha “GT”: o novo Cayman GT4. Utilizando muitos componentes advindos do belíssimo 911 GT3, o Cayman GT4 é a mais nova opção para os clientes que querem um Porsche mais agressivo e apimentado.

Visualmente mais agressivo que a sua versão convencional, o novo Porsche Cayman GT4 se diferencia pela adoção de detalhes que buscam aumentar a esportividade do carro. Na dianteira, por exemplo, o Cayman GT4 traz um para-choque com entradas de ar ampliadas e grades em formato de colmeia, saída de ar na área próxima ao capô, spoiler dianteiro e luzes diurnas de posição composta por LEDs. Na lateral, além das exclusivas rodas de liga leve, o modelo ainda possui entrada de ar lateral ampliada, vincos nas portas mais acentuados e retrovisores externos diferenciados. Por fim, na traseira o Cayman GT4 diferencia-se do modelo convencional pela adoção do aerofólio traseiro e de um spoiler maior que interligam as lanternas, bem como pelo para-choque com difusor de ar integrado.

Na cabine, a Porsche fez alterações pontuais para elevar a esportividade do novo esportivo, acrescendo ao carro painel de instrumentos diferenciado e volante esportivo multifuncional, bancos e portas com revestimento em couro e Alcantara. Opcionalmente a fabricante alemã ainda oferece o pacote Chrono Esporte com Track Precision App, o pacote Club Sport e bancos esportivos do tipo concha de fibra de carbono.

Mecanicamente, o Porsche Cayman GT4 se destaca pelo uso do chassi e de vários componentes advindos do “irmão” 911 GT3. Entre eles, a suspensão esportiva e o sistema de freios. Por falar em freios, a marca ainda disponibiliza freios em cerâmica como item opcional ao novo modelo. Com relação ao motor, o novo modelo vem equipado com bloco 3.8 seis cilindros em linha que entrega 385 cv de potência. Esse propulsor é o mesmo utilizado pelo 911 Carrera S, que possui 400 cv, mas que foi reconfigurado. De toda forma, o GT4 gera 45 cv de potência a mais do que o Porsche Cayman GTS. Dotado de tração traseira e transmissão manual de seis velocidades, o Cayman GT4 acelera de 0 a 100 km/h em 4,4 segundos, com velocidade máxima de 295 km/h. Segundo a marca alemã, o esportivo tem autonomia média de 9,7 km/L (100 km/10,3L).

Com apresentação ao público marcada para o Salão de Genebra, realizado em março, o novo Porsche Cayman GT4 chegará mercado norte-americano com preço de US$ 84,6 mil (cerca de R$ 220 mil). 

Por Caio Polo

Porsche Cayman GT4

Porsche Cayman GT4

Porsche Cayman GT4

Fotos: Divulgação


A partir de 2016, os países do bloco econômico Mercosul usarão o mesmo modelo de placas. Isso mesmo, os novos veículos que forem emplacados em Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela, daqui a 14 meses, já virão com o novo modelo de placas. A data foi marcada em 2012, mas até agora não foram divulgadas muitas informações sobre o tema.

A ideia partiu da mesma já adotada pelos países que integram a União Europeia, que já adotou a medida há alguns anos. As placas que serão usadas no Mercosul terão 7 ou 8 caracteres, com abreviação do país, cidade e números que ajudarão na identificação. Nem mesmo o design já foi definido ou se os modelos em circulação deverão receber as novas placas. Também não foi informado como será feita a abreviatura das cidades e países e se o seguro obrigatório valerá para todos os países participantes.

O Denatran – Departamento Nacional de Trânsito ainda não tem informações precisas sobre a mudança no emplacamento. Quando consultado, não soube informar se a Carta Verde será eliminada ou mesmo se a imagem de uma placa apresentada pela imprensa argentina é verdadeira. A imagem conta com uma placa com oito caracteres e foi mostrada como sendo o modelo que será usado no Mercosul. Até o momento, a informação que o Denatran tem é que o modelo contará com 7 caracteres.

O assunto foi colocado em pauta em 2010 e seu objetivo é de ajudar na identificação e circulação de veículos do bloco. Já foi até definido um Grupo de Trabalho para a Elaboração e Implementação da Patente Mercosul, que se reuniu em Buenos Aires para dar continuidade ao projeto.

Segundo fontes do Itamaraty, o modelo de emplacamento já foi decidido e já possui aspectos gráficos e os elementos que aumentarão a segurança das placas. Ainda não há nada oficial, mas haverá um referendo sem data marcada para acertar algumas questões. 

Por Robson Quirino de Moraes

Placas de carros unificadas

Foto: Divulgação


O mercado brasileiro de veículos sofreu uma alteração significativa nos últimos anos. Antigamente, quando se pensava em adquirir um veículo automotor várias pessoas pensavam em adquirir um carro grande, confortável e possante já hoje em dia esse perfil dos consumidores foi deixado no passado e poucas pessoas têm esse tipo de preferência nos dias atuais, pois com o aumento das frotas de veículos nas grandes cidades, o aumento considerável no valor dos combustíveis e a falta de espaço para se estacionar veículos grandes nas metrópoles tem feito com que os consumidores mudem o seu gosto na hora de fazer a aquisição de um veículo.

Nessa perspectiva, na hora de se adquirir um veículo, atualmente, os consumidores estão buscando saber quais os carros mais vendidos e quais são as montadoras que estão tendo maior sucesso e prestígio no lançamento de carros.

Muitas revistas, jornais e sites do ramo automobilístico, anualmente fazem esse tipo de levantamento, a fim de direcionar os consumidores na decisão de comprar um carro novo, mediante os prós e contras que cada veículo pode oferecer aos seus proprietários. Nesse contexto, atualmente, os campeões de venda são os modelos considerados como populares que têm um valor de aquisição bem mais em conta e são muito econômicos no consumo de combustíveis.

As informações sobre o ranking de veículos mais vendidos no Brasil são disponibilizadas pela Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores (FENABRAVE). Desse modo, no ano de 2014 no mês de julho a FENABRAVE divulgou a lista de preços dos veículos mais vendidos do país, e os mais vendidos em ordem decrescente são os seguintes:

– Fiat Palio, Volkswagen Gol, Fiat Uno, Hyundai HB 20, Chevrolet Onix, Ford Fiesta, Fiat Siena, Volkswagen UP!, Volkswagen Voyage, Chevrolet Prisma, Toyota Corolla, Hyundai HB 20S, Volkswagen Fox, Renault Sandero, Honda Fit, Honda Civic, Toyota Etios, Chevrolet Cobalt e por fim o Renault Logan.

Salienta-se que em caso de dúvidas sobre preços e versões desses modelos, os consumidores podem fazer uma pesquisa mais detalhada de informações por meio do portal eletrônico da revista Exame que é o www.exame2.com.br.

Por Adriano Oliveira

Fiat Palio

Fotos: Divulgação


Quer comprar seu novo carro, mas a grana está curta? Novidades automotivas podem contribuir para realização do seu desejo mais facilmente.

A Audi está com venda de carros da linha A4 e A5 com taxa zero de juros, mas essa vantagem é somente para o mês de junho.

Os modelos que compõem a linha são: Attraction e Ambiente, sedãs da A4  e Avant Ambiente. Já para os carros da linha A5 o modelo é o Sportback.  

Os carros da linha A4 são equipados com motor 2.0 Turbo FSI com potência de 180 cv para a versão Ambiente e motor de 2.0 Turboo FSI com potência de 225 cv para a versão Ambition. Os carros da série ainda contam com ar condicionado automático, direção eletromecânica, ajustes elétricos no banco do motorista, computador de bordo, apoio lombar com ajuste elétrico, controle de cruzeiro, faróis de neblina, faróis bi-xenônio com ajuste automático de altura, além de volante esportivo e multifuncional. O quesito segurança não foi deixado de lado para os carros que contam com airbag lateral dianteiro e de cabeça.

Para os modelos da linha A5, o Sportback  possui as mesmas opções para os motores, contam também com câmbio Multitronic de oito marchas, os itens de série são os mesmo existentes no A4 e ainda com retrovisor interno com função antiofuscante, bancos esportivos sensor de luz e chuva, teto solar, troca de marchas atrás do volante e sensor de estacionamento.

Os preços de venda dos automóveis são os seguintes:  

– A4 Sedan Attraction:

  • Preço: R$ 129.200;
  • Entrada: R$ 64.600;
  • Parcelas: 24 x R$ 2.754,61;
  • Preço Final: R$ 130.710,62.

– A4 Sedan Ambiente:

  • Preço: R$ 137.200;
  • Entrada: R$ 68.600;
  • Parcelas: 24 x R$ 2.923,88;
  • Preço Final: R$ 138.773,03.

– A4 Avant Ambiente:

  • Preço: R$ 142.300;
  • Entrada: R$ 71.150;
  • Parcelas: 24 x R$ 3.031,78;
  • Preço Final: R$ 143.912,82.

– A5 Sportback Ambiente:

  • Preço: R$ 159.400;
  • Entrada: R$ 79.700;
  • Parcelas: 12 x R$ 6.763,57;
  • Preço Final: R$160.862,87.

– A5 Sportback Ambition:

  • Preço: R$ 200.700;
  • Entrada: R$ 100.350;
  • Parcelas: 12 x R$ 8.505,12;
  • Preço Final: R$ 202.412,09.

Por Jaime Pargan

Audi A4

Foto: Divulgação


A hora e a vez dos veículos usados. É com a volta do IPI para os veículos novos, a saída para estar com carro é o usado. Desde que a presidente diminuiu o valor do imposto sobre produtos industrializados, a venda de veículos novos aumentou significantemente. Deixando de lado o bom e velho carro seminovo. Agora as lojas de carros usados estão comemorando, mas não chega a tanto, pois as vendas melhoraram, mas o veículo usado está com preço um pouco abaixo.

Segundo os especialistas, para comprar um carro novo hoje utilizando o usado que tem em casa terá que desembolsar em torno de 20%, isso sendo o mesmo modelo a mesma marca, pois as indústrias automobilísticas repassaram para os veículos novos o valor do IPI. E também a desvalorização está mais assídua devido à velocidade em que as montadoras colocam o veículo no mercado, e com valores, às vezes, quase o dobro do que custavam há dois anos, por exemplo.

As empresas vendedoras de seminovos estão com dificuldades em conseguir modelos com valores inferiores a R$ 100.000,00, pois estes que estão começando a esquentar o mercado. Carros seminovos de modelos populares são o que os motoristas estão procurando. E para explicar a escassez de seminovos é fácil: com o aumento nos preços dos veículos novos, há pouca procura dos mesmos, pois na maioria das vezes o carro usado entra como parte do novo. Logo não há veículos usados para serem revendidos.

E com a procura imensa de seminovos, fica faltando veículo no mercado. Mas quanto mais tempo passa a quantidade da frota de veículos está aumentando a cada ano nas ruas. Quem sabe agora, com essa escassez de veículos nas revendedoras, o trânsito possa ter um pouco de alívio.

Por Antônia Mendes

Carro seminovo

Foto: Divulgação


Os emplacamentos de comerciais leves e automóveis totalizaram o surpreendente número de 300.614 veículos vendidos apenas no mês de maio, período em que foi verificado um aumento de 9,58% em referência ao mesmo mês no ano de 2012, em que foram vendidas 274.334 unidades. As informações são da Federação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Fenabrave), em seu relatório que é publicado todo mês.

Entre os modelos principais, o líder continua sendo o Volkswagen Gol, carro que totalizou 19.955 vendas em maio. As outras posições ficaram com os seguintes veículos:

  • 2º lugar: Fiat Uno, com 18.352 carros emplacados.
  • 3º lugar: Fiat Palio, com 15.474 unidades comercializadas.
  • 4º lugar: Ford Fiesta (versões New Fiesta e Fiesta Rocam), com 11.395 unidades vendidas.
  • 5º lugar: Fiat Strada, com 11.083 unidades vendidas.

Atualmente, a GM é montadora vice-líder em vendas. A Fiat, no entanto, é a líder de mercado com participação de 22,57%, comercializando 67.846 carros no mês de maio, total que inclui veículos e também os comerciais leves. A novidade foi a respeito da GM, que superou a Volks e emplacou 53.815 unidades (17,90%), sendo que a VW emplacou 53.440 (17,78%).

Por Marcelo Araújo


A AutoInforme, empresa especializada em análise de mercado, divulgou uma tabela sobre o valor real praticado nas concessionárias, valor que pode ser maior ou menor do que o de tabela, pois depende da oferta e da procura dos veículos.

Vale ressaltar que esse preço real é a média dos valores encontrados em lojas de São Paulo.

Seguem alguns exemplos (de diversas concessionárias). O primeiro valor é o de tabela, enquanto o segundo é o preço real.

– Chevrolet:

  • Celta 2p 1.0 flex 5: R$ 26.008 / R$ 23.500;
  • Corsa Sedan 1.4 flex Premiun: R$ 38.082 / R$ 34.600;
  • Meriva 1.4 flex Maxx: R$ 46.682 / R$ 44.000;
  • Zafira 2.0 flex Elite: R$ 76.456 / R$ 69.000.

– Citroën:

  • C3 1.4 flex XTR: R$ 43.490 / R$ 45.000;
  • C4 Hatch 2.0 flex Excl. Sport: R$ 59.800 / R$ 61.300.

– Fiat:

  • Mille Economy 2p 1.0 flex: R$ 23.650 / R$ 22.000;
  • Strada 1.4 flex Fire: R$ 31.990 / R$ 28.000;

– Ford:

  • Courier 1.6 flex XL: R$ 43.620 / R$ 39.300;
  • Fusion 3.0 V6 SEL: R$ 103.360 / R$ 99.800;

– Honda:

  • CR-V 2.0 4×4 EXL aut.: R$ 97.380 / R$ 92.000.

– Mitsubishi:

  • L200 GL 2.5 4×4 diesel: R$ 79.990 / R$ 82.200;
  • Pajero TR4 2.0 4×4 flex: R$ 73.990 / R$ 75.000.

– Nissan:

  • Frontier CD 2.5 4×4 die. SE: R$ 101.290 / R$ 96.000;
  • Livina S 1.6 16V flex: R$ 46.490 / R$ 43.000.

– Peugeot:

  • Partner 1.6 16 V flex: R$ 41.920 / R$ 44.000.

– Renault:

  • Clio 2p 1.0 16 V flex Campus: R$ 25.300 / R$ 23.000;
  • Grand tour 1.6 16 V flex Dyn: R$ 50.660 / R$ 51.000.

– Toyota:

  • Corolla 1.8 16V flex XLi: R$ 63.570 / R$ 64.500.

– Volkswagen:

  • Fox 2p 1.0 flex:- R$ 32.405 / R$ 30.500;
  • Space Cross 1.6 flex: R$ 58.735 / R$ 55.000.

Por Christiane Suplicy Curioni


Pouco a pouco, as montadoras começam a embutir nos preços dos seus automóveis importados, comercializados no Brasil, a nova alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os carros produzidos no exterior, que foi aumentada para 30%, conforme medida adotada pelo Governo Federal.

Muitas delas estão repassando os reajustes de forma escalonada, como é o caso da Kia Motors, que divulgou a sua nova tabela de preços, com um aumento médio de 8,41%, para os valores que serão praticados até o dia 31 de outubro. Segundo a fabricante sul-coreana, novos reajustes devem ser divulgados nos meses de novembro e dezembro.

Para o modelo mais barato da marca vendido atualmente no país, a nova geração do Picanto, lançada recentemente, o reajuste foi de 12,46%, uma vez que ele custava anteriormente R$ 34.900 e passa a ser comercializado por R$ 39.900, na versão básica. A versão top de linha teve o preço sugerido alterado para R$ 49.900.

No caso do Soul, os novos preços são de R$ 59.900, no modelo de entrada, e R$ 69.900, na versão mais equipada, enquanto para o Cerato, modelo mais vendido da Kia no mercado nacional, a nova tabela é de R$ 59.400 no sedã médio mais barato, e de R$ 89.900 na versão esportiva, Cerato Koup, uma variação média de 10,15%.

Já os preços para os utilitários esportivos Sportage e o Sorento partem, respectivamente, de R$ 88.900 e R$ 98.400.

A nova tabela de preços para toda a gama da Kia está disponível no site www.kiamotors.com.br

Por André Gonçalves


O brasileiro tem investido e economizado dinheiro para comprar seu tão sonhado carro. Segundo informações da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), houve um aumento de 18,05% no número de emplacamentos de veículos realizados apenas no primeiro bimestre desse ano.

Em 2010, foram registradas 692.231 unidades, enquanto que em 2011, na mesma época, esse número foi para 817.190.

De acordo com Sergio Reze, presidente da Fenabrave, esse salto se deve à “manutenção de renda e emprego, oferta de crédito e boas perspectivas da economia”.

Fevereiro apresentou uma alta significativa de 11,08% em relação ao mês de janeiro de 2011, representando o melhor resultado até então já catalogado pela Fenabrave, sendo que a única resalva é para as motos, que teve o mês de fevereiro de 2008 com melhor êxito. Sérgio Reze aponta que fevereiro foi o mais positivo por conta do "efeito Rapel", em que as montadoras resolveram adiantar os emplacamentos para o último mês do ano e graças a isso, janeiro teve queda nas vendas.  

Por Andrea Gomes





CONTINUE NAVEGANDO: