Dois modelos novos no mercado! E dois modelos verdadeiramente incríveis. O mini cooper é uma evolução do outro modelo mini clássico. Mantém o design e as interessantes personalização feita pelos sortudos que adquirirem o veículo. O alvo são os profissionais mais moderninhos e cheios de atitude como arquitetos, designers, publicitários e artistas.

O pequeno mimo criativo da BMW sai em média por 89.700 reais.

Já o outro lançamento é o não tão Novo Fiat Uno. Moderninho, colorido, pop e mais acessível faz a alegria do mesmo povo moderninho e cheio de atitude, mas com um valor que cabe no bolso de um consumidor classe média.

O Novo Fiat Uno sai  por 27.350 reais. 

Por Victor Gonçalves


Como não poderia deixar de ser, o novo Uno não é um projeto novo. Primeiro porque levou cerca de três anos para ser desenvolvido. Segundo porque é novidade no Brasil, mas é usado desde meados de 2006 na Europa sob o nome de Fiat Panda. E isso levanta algumas questões.

Por exemplo, o fato de que o novo Uno não aposenta o antigo e suas infinitas versões. Por quê? É realmente incompreensível que, às portas da mudança da legislação nacional para que todo carro saia de fábrica com air-bags (aleluia!), um projeto tão defasado quanto o Mille e derivações – que não previam essa tecnologia à época de seu desenvolvimento – seja imposto aos consumidores brasileiros.

Justamente quando essa imagem de desleixo da Fiat brasileira poderia ser mudada, novamente nos deparamos com o método “empurra-com-a-barriga” adotado pelas montadoras nacionais. É preciso que se compreenda que o lucro a ser obtido por um novo carro deve ser baseado em competência e qualidade na construção e execução dos projetos – como fez a Hyundai com seu sensacional hatch i30, saindo do desconhecimento para se tornar o 20º carro mais vendido no quinto maior mercado automotivo mundial – e não na manutenção de paradigmas antiquados e desrespeitosos com o consumidor brasileiro. 

Por Leopoldo Henrique Fachini


Inicio de maio será um marco para a história da indústria automobilística do Brasil, afinal será lançado um novo modelo do Fiat Uno.

Desde 1984 o modelo não sofre alterações como estas que estão para ser lançadas, afinal as mudanças sempre foram sutis e sem muito evoluções.

A grande mudança deve ficar, alem de todo o interior, com a nova disposição das lanternas traseiras, que deixa o tradicional forma quadrado por um formato mais vertical, segundo a tendência, como o Doblô.

Ele pode ficar mais parecido com o Soul, pois tem ângulos retos e é mais alto que os seus concorrentes.

Por José Alberi Fortes Junior.





CONTINUE NAVEGANDO: